Tags

“Se a gente quiser modificar alguma coisa, é pelas crianças que devemos começar, por meio da educação" Ayrton Senna

Todos sabem que o dia primeiro de maio marca a memória de muitos brasileiros e de amantes do automobilismo ao redor do mundo. Este ano, a data é ainda mais especial, pois completam-se, hoje, 18 anos da morte de Ayrton Senna.

E não podíamos deixar passar em branco. Por isso o Jusweek! separou uma edição especial sobre o campeão.

Deixa muitas saudades…




Tina Turner: Ayrton Senna SIMPLE THE BEST!

Ayrton, nascido no dia 21 de março de 1960, morreu tragicamente no dia 1º de maio de 1994, durante o GP de San Marino, em Ímola.

Veja um pouco do seus números na carreira de F1:

Ayrton Senna da Silva começou a  correr ainda em sua infância. Mesmo enfrentando  um diagnóstico médico que acusava problemas de coordenação motora, seu pai comprou um kart com 1 HP de potência e incentivou o filho a praticar nos finais de semana.

O primeiro kart de competição, com motor de 100cc, ganhou aos dez anos. Porém, precisou esperar até os 13 para poder competir regularmente, ganhando o campeonato sul-americano em 1977. Depois de repetir o título no ano seguinte, seguiu o caminho lógico de todo piloto talentoso, continuando a carreira na Europa. Sempre no karting, conseguiu o sexto lugar no mundial em Le Mans, um resultado excepcional para um corredor com pouca experiência internacional.

Em 1981 foi para Inglaterra. Correu na Fórmula Ford 1600, com um Van Diemen. Competia em duas categorias ao mesmo tempo, e acabou vencendo a ambas.

Em 1983 foi disputar corridas na Fórmula 3 britânica, uma categoria que na época era considerada um teste perfeito para provar a capacidade de qualquer piloto. Dois pilotos eram os favoritos da temporada: Ayrton Senna e o inglês Martin Brundle. Senna acabou ganhando as primeiras nove corridas do ano, mostrando a determinação e a sede de vitórias que seriam a marca registrada da sua futura carreira na F1. No final do ano, a vitória na corrida internacional de Macau, na China, o colocou na mira dos donos das equipes de Fórmula 1.

Depois de um abortado interesse da Brabham (que segundo dizem, teria sido vetado por Nélson Piquet, primeiro piloto da equipe, na época), acabou assinando contrato de três anos com a Toleman.

A estréia foi em 1984, no GP do Brasil. Mas foi na corrida das ruas de Mônaco, sob a chuva, que a lenda de Ayrton nasceu. Como a chuva sempre foi uma grande niveladora dos carros de corrida, o brasileiro foi levando sua Toleman cada vez mais perto do primeiro pelotão e, já na sétima volta, estava na sexta posição. Perto do terço final da prova Prost  estava em 1º com Senna em 2º, mas com 33.8 segundos desvantagem. Na volta 31, com a chuva caindo muito forte, a diferencia já havia caído para 7.4 segundos quando os comissários determinaram o final da corrida. A vitória lhe foi negada, porém Senna saiu de Mônaco como piloto-revelação, iniciando em seguida conversações secretas com a Lotus para a temporada de 1985.

Apesar das vitórias de Estoril e Bélgica, Senna percebeu que a Lotus já não era a mesma dos tempos de Clark e Emerson e mudou-se para a McLaren na temporada de 1988, onde conquistou seu primeiro título mundial vencendo oito corridas na temporada. Foi uma fase de extrema prodigialidade de Senna, que fazia quase todas as poles possíveis, e vencia mais corridas que seu principal adversário, o francês Alain Prost. Disputando na mesma equipe, os dois começaram a se tornar rivais até fora da pista.

Senna ganhou novamente o título mundial no ano de 1990, feito que repetiu mais uma vez no ano seguinte. Em 1994 saiu da vitoriosa McLaren e foi para a equipe de seus sonhos, a Williams. Sua adaptação ao novo carro, que vinha de uma boa fase, mas penou para engrenar as modificações feitas para essa temporada, se mostrou muito complicada.

O brilho de Senna permaneceu até a trágica corrida de Ímola. Um a um, os recordes foram caindo, tornando o brasileiro um dos maiores e mais carismáticos pilotos de todos os tempos.

Até que chegou a corrida de Ímola. A sombra negra da morte não parou de ficar o tempo todo no ar daquele fim de semana. Nos treinos de sexta-feira um grave acidente, com o também brasileiro Rubens Barrichello, assustou a muitos, e Rubinho não pôde nem disputar o restante dos treinos. No sábado, já nos treinos oficiais, uma fortíssima batida contra um dos muros da pista acabou ceifando a primeira vida: o Ratzemberg, jovem piloto, morreu dentro de seu carro destroçado. A cena foi muito forte, e o treino ficou suspenso por muito tempo, até que os pilotos forçaram o encerramento do treino.

No domingo, dia da fatídica corrida, algo sai errado na entrada da Tamburello. A barra de direção de sua Williams se parte (não há certeza se antes, como parece claro observando as imagens da cena, vistas de dentro do carro de Senna, ou se depois da batida, como afirmaram os dois principais chefes da equipe Williams). Após um forte acidente – que interrompeu a corrida por algumas voltas – com todos os carros atrás do Safety Car, primeiro Senna, depois Schumacher, o carro de Senna começa a a acelerar assim que o Safety Car sai da pista, e chegando próximo à curva Tamburello dá uma pequena guinada para a direita – o lado da curva – e acaba saindo reto, com os freios totalmente acionados, numa situação de óbvio pânico.

Como a velocidade dos carros naquela curva é muito alta, já que é quase uma reta em curva, o carro de Senna bateu num ângulo muito desfavorável, e a mais de 230 km/h. A lateral direita de seu carro bateu fortemente contra o concreto, e se arrastou por alguns metros contra o muro, o que determinou a destruição da suspensão, Uma dessas partes, da suspensão de seu carro, perfurou seu capacete, e feriu o nosso Senna mortalmente.

Se Senna tivesse ficado no lado esquerdo da pista – já que aquela curva não exigia uma manobra como a que ele acabou tomando, mas com um Schumacher aproveitando-se de um carro melhor e mais equilibrado Senna precisava ganhar alguns milésimos de segundo e sair um pouco mais distante do alemão, naquela curva – e se tivesse mais uns 30 metros de terreno antes do muro, com certeza ele teria tentado fazer a manobra de girar o carro sobre seu eixo, girando-o na própria direção da curva, ajudando a alinhar a roda esquerda, sob controle da direção, com a roda direita, que tinha se soltado de parte do eixo e assim já apontava para a direita, e assim conseguir diminuir sensivelmente a velocidade do carro antes de se chocar contra o muro. Mas além do grande susto, da suspensão quebrada, a falta de um espaço adequado entre a pista e o muro contribuiu com o resultado final.

A única coisa que pode nos consolar, é que depois do acidente, e por causa dele, as condições das pistas, e de suas áreas de escape, forma sensivelmente melhoradas, tanto que até hoje – 10 anos da morte de Ratzemberg e de Senna – mais nenhum piloto morreu. A segurança da Fórmula 1 hoje é a melhor entre todos os esportes de velocidade em todo o mundo. Nosso Senna nos deu muitas e imensas alegrias, e contribuiu com a segurança das pistas de hoje.

Um gênio, mas passional e bastante reservado

Adorado pelos fãs das corridas de Fórmula 1, Ayrton Senna era também admirado por sua família. Sua dedicação nas pistas e algumas de suas histórias são relatadas por sua irmã, Viviane, e sua mãe, Neyde, como exemplos da importância que o piloto tinha para seus parentes. Era em Angra dos Reis que o piloto gastava as horas livres que tinha entre o fim de uma temporada e o começo da outra. Onde, segundo sua irmã, gostava de recarregar as baterias. Mas, quando estava em sua cidade natal, São Paulo, o tricampeão cuidava de seus negócios. O piloto zelava pela marca Senna, criada no começo dos anos 90.

Dentro do circo da F-1, o melhor amigo de Senna – e talvez o único amigo verdadeiro – talvez tenha sido o austríaco Gerhard Berger, a quem teve como companheiro de equipe na McLaren durante três temporadas, de 1990 à 1992. O automobilismo era uma profissão para Senna, mas outros esportes estavam entre seus prediletos. Natação, tênis e ciclismo eram alguns exemplos. O futebol, uma das maiores paixões dos brasileiros, no entanto, era impraticável, já que Senna era incapaz de manter a bola sob domínio dos pés.

Apesar de ser uma pessoa bastante discreta e que pouco gostava de falar sobre sua vida pessoal, duas namoradas de Senna ficaram bem conhecidas pelo público. Com a apresentadora Xuxa, o relacionamento durou um ano e seis meses. A última namorada do piloto foi a modelo Adriane Galisteu, com quem a família Senna não tem um relacionamento amistoso até hoje. Ainda assim, Galisteu escreveu um livro – O Caminho das Borboletas -, no qual narra os momentos que viveu ao lado do tricampeão.

Outros três relacionamentos podem ser apontados como determinantes na vida do piloto. Lilian de Vasconcelos, Adriane Yamin e Cristiane Ferracciu são descritas na biografia Ayrton, o herói revelado, num livro lançado em 2004, como personagens marcantes na vida do passional e reservado tricampeão.

Confiram abaixo um pequeno resumo de sua história no Automobilismo. 

Senna: O início da carreira no kart Desde a infância, Ayrton Senna sempre teve interesse pela velocidade. Aos quatro anos, ganhou seu primeiro “carro”, feito pelo seu pai, Milton da Silva. Tempos depois, Senna já pilotava karts mais potentes e chegou a guiar um modelo que fôra dos irmãos Fittipaldi na década de 60.

A primeira corrida oficial foi em 1º de julho de 1973. E Ayrton, o mais jovem entre os competidores, ficou com a pole obtida através de um sorteio, a primeira pole de muitas outras que viriam em seguida. Na corrida, Senna segurou adversários mais experientes, mas abandonou depois de um toque com outro piloto.

Com as vitórias se tornando cada vez mais constantes, no ano seguinte Ayrton conquistou o título Paulista da categoria Júnior. Em 1976, Senna venceria o Campeonato Brasileiro e as Três Horas de Interlagos. Na temporada seguinte, o brasileiro conquistaria o bicampeonato da prova, além do Sul-Americano no Uruguai.

Uma da maior frustração de Senna, foi o título dos Campeonatos Mundiais, único título que não conquistaria na carreira. Em 1978, Ayrton, no circuito de Le Mans, foi a revelação do evento, mas terminou na 6ª colocação.

Com mais três títulos de campeão brasileiro – 1979, 1980 e 1981 – tentou novamente o título mundial. Desta vez, terminou empatado em número de pontos com o campeão, o holandês Mark Koene, sendo entretanto superado no critério de desempate. Em 1980, ele voltaria a ser vice.

Quando já competia na Inglaterra pela Fórmula 1600, Ayrton voltou a disputar o mundial na Itália: ficou em quarto lugar. Sua última tentativa foi em de 1982, quando teve vários problemas e acabou em 14º na Suécia.
Senna: Recordista e campeão na Inglaterra Ccom alguns contatos estabelecidos na Inglaterra, Senna foi para a Europa em 1981 para disputar o campeonato da Fórmula Ford 1600. Na época, a categoria era a vedete entre as que serviam de ligação entre o kart e os campeonatos maiores. O resultado eram grids cheios e pilotos dispostos a arriscar qualquer coisa por um futuro melhor no automobilismo.

Ayrton disputou 20 corridas ao longo do ano. Foram 12 vitórias, dez voltas mais rápidas e três poles, o suficiente para assegurar o título da Copa Townsend Thoresen. Mas passada a euforia pelo título, Senna sofreu uma das maiores frustações até então: um telefonema do pai, pedindo que retornasse imediatamente ao Brasil. Milton da Silva, que era um empresário de médio porte, queria o filho por perto para gerenciar os negócios da família. A brincadeira na Europa chegava ao fim naquele momento.

Mas o “escritório” ao qual Ayrton estava acostumado era bem menor. Procurado pela Van Diemen para renovar seu contrato para a F-Ford 2000, em 1982, o piloto acabou conseguindo carta branca para voltar às pistas.

Na nova categoria, seu domínio foi ainda maior. Ele venceu 20 das 27 corridas que disputou. O desempenho impressionante, que incluiu também 14 poles e 21 voltas mais rápidas, rendeu um convite para disputar uma etapa da F-3 na pista inglesa de Thruxton. Mesmo sem conhecer o carro, Senna venceu de ponta a ponta, com direito ainda à melhor volta. A West Surrey, equipe de ponta da Fórmula 3, não tardou em assegurar o jovem piloto Ayrton para a temporada seguinte.

Senna: O título na F-3 Com um currículo invejável na Fórmula Ford, Senna chegou à F-3 Inglesa como grande promessa. Em sua única corrida pela categoria, o brasileiro havia dado um show, com pole, vitória e volta mais rápida. Embora toda a imprensa mundial apontasse Ayrton como favorito, os ingleses insistiam em super valorizar Martin Brundle, a nova estrela da casa.

Durante as vinte provas da temporada o que se viu foram duelos épicos entre os dois jovens. Senna venceu nove provas seguidas, mas passou outras três sem terminar, dando margem para a recuperação do inglês. No final, Ayrton conquistou 15 vitórias – um recorde na época – e chegou ao título nacional. Brundle ganhou outras quatro provas e a única vitória que escapou da dupla ficou nas mãos do americano Ross Cheever.

Brundle teria sua última chance de desbancar Senna no tradicional GP de Macau, que sempre reuniu os melhores pilotos de Fórmula 3 em todo o mundo. Mas, naquele momento, não havia nada a se fazer para parar Ayrton. A vitória, como na maior parte das vezes, veio em seguida à pole e à volta mais rápida.

O bom desempenho rendeu à Senna um teste na equipe Williams, atual campeã mundial de Fórmula 1.

Senna: O primeiro teste na Fórmula 1 Um brasileiro de 23 anos, destaque da F-3 Inglesa, estaria prestes a escrever a primeira linha de sua história no topo do automobilismo mundial. Como prêmio por suas vitórias, a Williams deu ao piloto a chance de testar o modelo FW7. Isso ocorreu em Donington Park, no dia 19 de julho de 1983.

Aos poucos, uma a uma, as marcas foram caindo. Poucas voltas foram suficientes para que Senna quebrasse o recorde da pista, deixando a equipe impressionada.

Saindo do carro, o piloto disse ao irmão Leonardo: “Isso aqui não tem mistério, é moleza”.

Mas ainda não seria em 1984 que Senna correria pela Williams. Com as principais equipes fechadas para a temporada que chegava, restou ao brasileiro lutar por vagas nos times menores, e foi a Toleman, um time médio, que acolheu o futuro campeão.

Senna: O estreante que impressionou todos No domingo, 25 de março de 1984, o GP Brasil mobilizava o Brasil. Todas as atenções estavam voltadas para Nelson Piquet, campeão da temporada anterior e um dos favoritos ao título. Entre os estrangeiros destacavam-se Alain Prost, Niki Lauda, Keke Rosberg, Nigel Mansell, Jacques Laffite, Renè Arnoux e Elio de Angelis, que conseguiu levar a pole-position.

Num dos melhores grids da Fórmula 1, Senna ficou com a 16ª colocação, uma a frente de seu companheiro de equipe, Johnny Cecotto, campeão de motovelocidade. Mas o estreante não teve sorte. Ganhou três posições e andava em 9º quando teve problemas em seu turbo. Era a primeira das 14 provas que disputaria em 1984 e, certamente, não foi a melhor delas.

As duas corridas seguintes foram muito boas para Senna. Na África do Sul, largou em 13º e chegou em 6º, marcando seus primeiros pontos na F-1. Ao final da prova, recusou maiores comemorações de Alex Hawkridge, seu chefe na Toleman: “Estou pronto para chegar ao pódio, arrume carro para isso”, disse. Três semanas depois, na Bélgica, o 6º lugar se repetiu, desta vez após uma largada em 19º.

O GP de San Marino, contudo, foi desastroso. Com dois motores quebrados e impossibilitado de marcar tempo na sexta-feira, Ayrton acabou traído pela forte chuva que caiu no sábado. Pela primeira e última vez, Senna estava fora de uma corrida por não ter obtido tempo de classificação. Na França, duas semanas depois, foi traído pelo turbo, que quebrou quando estava em 5º lugar.

Mas a grande prova do brasileiro em 1984 foi o GP de Mônaco. Largando de 13º, Ayrton foi passando por pilotos com muito mais experiência na F-1. Não demorou muito e encostou em Niki Lauda. Encostou e passou fácil. Já estava em segundo e Alain Prost seria a próxima vítima. Mas acabou não sendo, porque o diretor de prova, o ex-piloto belga Jack Ickx, encerrou a corrida antes da hora para, segundo se diz, dar a vitória a Prost.

As corridas seguintes foram marcadas por muitas falhas mecânicas e bons treinos de classificação. A partir do GP do Canadá, Senna ficou por cinco vezes seguidas entre os dez primeiros do grid. Entretanto só completou em duas. Ficou em 7º em Montreal e subiu ao pódio em Brands Hatch, com um 3º lugar. A Toleman disputou o GPs da Alemanha, Áustria e Holanda com um único carro e, nas três provas, Senna teve problemas. Àquela altura, o brasileiro já estava acertado com a Lotus para 1985. A Toleman descobriu e chamou o italiano Pierluigi Martini para treinar em Monza. Martini sequer se classificou para a prova.

A equipe acabou voltando atrás e o brasileiro disputou, ao lado de Johansson, as duas últimas provas do ano. No GP da Europa, em Nurburgring, Ayrton largou em 12º mas se envolveu num acidente com outros sete carros. Na última corrida do ano, em Portugal, Senna conseguiria sua melhor posição de largada até então: um 3º lugar, atrás de Prost e Piquet. A despedida da Toleman aconteceu no pódio, também com um 3º lugar, o que lhe rendeu a 9ª colocação no campeonato, com 13 pontos no total.

Senna: Virando realidade na Lotus Piloto revelação da temporada anterior, Senna chegou à Lotus em busca da primeira vitória na Fórmula 1. Na prova de estréia, no Brasil, Ayrton foi bem nos treinos, ficando com a 4ª colocação. Na corrida um problema elétrico o tirou da prova. Na prova seguinte, em Portugal, teria melhores resultados. Senna marcou a pole e na corrida deu show: largou em primeiro, liderou todas as voltas e, em uma delas, estabeleceu a melhor marca da prova. A 1ª vitória de Ayrton Senna ocorreu sob um dilúvio no circuito do Estoril. Ali, o brasileiro ganhou um título que sempre o acompanhou: o “Rei da Chuva”.

Depois disso veio uma seqüência de três poles da Lotus, duas com Senna e uma com De Angelis. O italiano venceu em San Marino, mas Ayrton não marcou pontos em nenhuma dessas provas. Senna vinha bem nos treinos, mas nas corridas era quase sempre vítima de problemas mecânicos da Lotus ou do motor da Renault, que consumia muito mais que os adversários.

Na segunda metade do campeonato, contudo, as coisas melhoraram, com mais três poles, quatro pódios e uma nova vitória, esta na Bélgica, que credenciaram Ayrton Senna como piloto vencedor. No final do ano, Ayrton ficou em 4º no mundial, o melhor dentre todos os estreantes do ano. À frente dele, apenas Prost, Alboreto e Rosberg.

Senna: Brigando entre os grandes A temporada 1986 começou conturbada na Lotus. Sabendo que Derek Warwick estava sendo cotado para ser seu companheiro de equipe, Senna causou polêmica ao vetar a contratação do inglês, alegando que a equipe não tinha condições de ter dois pilotos de ponta. O veto foi aceito e o companheiro escolhido foi um obscuro escocês, campeão da F-3 Inglesa: Johnny Dumfries.

A primeira prova do ano seria o GP Brasil e Ayrton Senna já dividia as atenções da mídia e dos torcedores com Nelson Piquet, da Williams. Os dois dividiram a primeira fila, com Senna na pole. Na corrida, a ordem se inverteu, com Piquet em primeiro e Senna em segundo. Foi a segunda dobradinha brasileira correndo em casa.

A corrida seguinte, o GP da Espanha, em Jerez, marcou a terceira vitória de Senna e também uma das menores diferenças da história da categoria. Ayrton, mais uma vez o pole, venceu Mansell por apenas 14 milésimos. Em San Marino, duas semanas depois, o brasileiro conquistou mais uma pole, mas na corrida teve problemas e abandonou.

Senna vinha somando o máximo de pontos que lhe eram possíveis quando chegou a Detroit e fez a pole, depois de um jejum de três corridas. Ayrton venceu a prova, com Prost em terceiro. Foi a vingança do país pela derrota para a França na Copa do Mundo, um dia antes, e a última conquista de Senna em 86.

Com poucas chances na disputa pelo título após uma seqüência de cinco maus resultados, Senna ainda marcaria três poles – um total de oito ao longo do ano – e dois pódios, ficando com a 4ª colocação no mundial que marcou o bicampeonato de Alain Prost.

Senna: A despedida da Lotus Muito se especulou sobre uma possível transferência de Senna para a McLaren no início de 1987, mas o brasileiro disputaria mais uma temporada pela Lotus. A equipe iniciava uma fase de decadência e, mesmo tendo motores Honda, não deu a chance que Senna queria para brigar pelo título.

O novo companheiro de equipe do brasileiro seria o simpático japonês Satoru Nakajima, indicado pela fornecedora nipônica, mais conhecido por seus acidentes que propriamente pelos seus resultados. Foi um ano amplamente dominado pela William, que conquistou 12 poles e 9 vitórias. Ayrton, que havia conquistado 8 poles em 1986, teve que se contentar com apenas uma, na pista de San Marino.

Essa temporada mostrou que além de “Rei da Chuva” Ayrton era também o “Rei da Rua”, pois suas duas vitórias naquele ano foram conquistadas nas ruas de Detroit e Mônaco.

Senna começou a analisar as propostas que recebia. A melhor delas era bancada pela Honda: o brasileiro iria para a McLaren, com igualdade de condições para Alain Prost e a promessa de um carro que lhe permitisse brigar pelo tão sonhado campeonato.

Para o lugar de Senna, a Lotus contratou seu maior rival até então: o inimigo declarado Nelson Piquet.

Senna: O primeiro título mundial, na McLaren Quatro temporadas depois de chegar à Fórmula 1, Ayrton tinha, enfim, a chance que tanto perseguira: ter um carro que lhe permitisse disputar o título. A corrida de estréia na McLaren, no Brasil, tinha tudo para ser perfeita. O modelo MP4/4, projetado por John Barnard, mostrou-se um carro excepcional e Senna garantiu a pole. O domingo, no entanto, começou mal para Ayrton. Um problema no câmbio já no grid de largada o obrigou a largar do box, na última posição. O piloto deu um show de ultrapassagens e já era o 6º colocado quando foi desclassificado sob alegação de que teria usado o carro reserva.

Na corrida seguinte, em San Marino, os problemas pareciam ter chegado ao fim. Depois de treino e corrida perfeitos, Senna venceu sem maiores dificuldades, consagrando seu primeiro triunfo na nova equipe.

A terceira corrida daquele ano, em Mônaco, mudou a vida de Ayrton. A vitória estava garantida e, quando liderava com quase um minuto de vantagem, Senna cometeu um erro, talvez o maior de sua carreira. O brasileiro perdeu a concentração e bateu na curva da entrada do túnel. A partir de então, Ayrton passou a trabalhar mais seu lado psicológico, visando evitar novos dissabores.

O restante da temporada foi uma briga constante entre Senna e Alain Prost, seu companheiro na equipe. Em apenas uma das 16 etapas, a McLaren não saiu vencedora. Foi em Monza, quando Ayrton Senna liderava e acabou batendo no retardatário Jean Louis Schlesser. A vitória caiu no colo de Gerhard Berger, da Ferrari.

O campeonato chegou ao Japão, penúltima etapa, podendo ser decidido em favor de Senna. Saindo na pole, o brasileiro teve problemas na largada e caiu para a 14ª colocação. O que se viu depois foi uma das mais fantásticas corridas de recuperação da história da Fórmula 1: Ayrton foi superando seus adversários até chegar em Alain Prost, na 27ª volta. O francês tentou reagir, mas não conseguiu conter Senna. O garoto que sonhava em chegar à Fórmula 1 e por pouco não desistiu de tudo, conquistava seu primeiro título mundial.

Senna: Polêmica decisão em Suzuka Com o título de Senna o clima na McLaren não poderia ser melhor. Poder-se-ia dizer que havia satisfação geral na equipe, não fosse a honrosa exceção de Alain Prost. Desde o início da década de 80 no time, Prost sentia um misto de decepção e ciúmes. Nas cinco primeiras corridas, Senna conquistou a pole; mas não foi isso que detonou uma rivalidade declarada entre os dois. Em San Marino ambos fizeram um pacto de não agressão durante a primeira volta: ninguém tentaria ultrapassar, por questões de segurança. Pois Ayrton descumpriu o combinado e partiu para cima. A manobra valeu a vitória para o brasileiro; mas, muito mais que uma prova, Senna ganhou um inimigo. Farpas à parte, a decisão chegou mais uma vez ao Japão, palco da disputa anterior.

A prova de Suzuka ilustra muito bem o clima de guerra que estava declarado: aproveitando-se da vantagem que tinha no mundial, Prost jogou o carro para cima de Senna, tentando forçar um duplo abandono. A manobra tirou Prost da prova, mas Ayrton, ajudado pelos fiscais de pista, foi para o box, trocou o spoiler dianteiro e voltou para a pista em busca da vitória, que adiaria a decisão do título. Na última volta, Senna conseguiu ultrapassar a Benetton de Alessando Nannini e comemorou a vitória como poucas vezes se viu.

Mas a FIA e seu presidente Jean Marie Balestre – declarado amigo de Prost – anulou o resultado, alegando que, ao voltar à pista, o brasileiro não havia contornado a chicane. A briga de Senna com Balestre quase fez o piloto desistir da Fórmula 1, incluindo uma pesada entrevista de Senna com a imprensa internacional. Mas em 1990, lá estava Ayrton novamente em sua McLaren.

Senna: Bicampeonato com revange sobre Prost A temporada de 1990 seria decisiva para Ayrton: o sonho do bicampeonato, adiado nos bastidores na temporada anterior, estava mais vivo do que nunca. Alain Prost, o principal rival, havia trocado a McLaren pela Ferrari, onde faria uma dupla explosiva com Nigel Mansell. Para o lugar do francês a McLaren contratara Gerhard Berger.

Na etapa de abertura, em Phoenix, um adversário diferente incomodou o brasileiro. Com as Ferrari fora da briga, Ayrton deparou-se com um inspiradíssimo Jean Alesi, da Tyrrell. Campeão da F-3000, Jean segurou Senna enquanto pôde, mas acabou cedendo às pressões e contentando-se com a segunda posição.

Um grande público lotou Interlagos para apoiar Ayrton no GP Brasil. A pole no sábado dava a entender que o longo tabu de vitórias seria quebrado. Só esqueceram de avisar ao japonês Satoru Nakajima; retardatário, o piloto fechou Senna, que perdeu o bico e várias posições, ao entrar nos boxes para trocar o conjunto danificado pela barbeiragem nipônica. No final Ayrton ainda terminou com a 3ª colocação.

Mesmo em equipes diferentes a rivalidade entre Senna e Prost permaneceu a mesma. Ao longo do ano os dois foram revezando boas e más fases e, pela terceira vez, chegaram ao Japão para uma decisão do título. Disposto a não correr o risco de perder mais uma vez para o francês, Senna planejou um troco à manobra de 1989. Largando na pole, o brasileiro saiu mal e ficaria atrás de Prost na freada da primeira curva. Mas Senna fez uma opção arriscada por não frear: o acidente foi inevitável e, com ambos fora da prova, o bicampeonato estava garantido.

Senna: Mais uma festa em Suzuka O ano de 1991 foi marcado por duas fases distintas para Ayrton Senna. No início do ano, com a McLaren ainda em igualdade de condições com as Williams, o brasileiro venceu as quatro primeiras provas, disparando na classificação.

Entre as vitórias de Ayrton, destaque para a do GP Brasil, em Interlagos: com um carro visivelmente em frangalhos – tinha apenas a sexta marcha nas voltas finais – Senna venceu pela primeira vez correndo em casa. O piloto mal podia conter a emoção – e as fortes dores – após a prova.

Mas a McLaren não conseguia desenvolver seu carro como deveria. A Honda, que sairia da Fórmula 1 ao final do ano, não desenvolvia motores com o afinco de outros tempos, e o resultado foi uma perigosa aproximação das Williams-Renault, lideradas por Nigel Mansell.

Uma série de quebras e azares fez com que o título, que parecia certo no início, ficasse aberto. Quis o destino que a pista decisiva, mais uma vez, fosse a de Suzuka, no Japão. Como só a vitória interessava a Mansell, a McLaren fez um jogo de equipe buscando desconcentrar o inglês. Gerhard Berger, com pneus mais macios, largou na frente, com Senna em segundo e Nigel em terceiro. Desesperado para passar o brasileiro, Mansell passou reto na curva após a reta, perdendo qualquer chance de ser campeão. Senna ainda passou Berger na pista, mas no final abriu para a vitória do companheiro, acatando ordens do time, como agradecimento ao desempenho do austríaco.

O desenvolvimento das Williams-Renault no fim de 1991 já era evidente, mas não se imaginava que já no ano seguinte a equipe fosse dominar a Fórmula 1. Munida de um aparato tecnológico inovador para a época – entre eles suspensão ativa e controle de tração – a escuderia não deu chance aos rivais.

Logo nas primeiras etapas o domínio ficou evidente: Mansell venceu as cinco primeiras provas, abrindo uma folgada diferença que apenas cresceu ao longo da temporada. No final, o inglês foi campeão na Hungria, com cinco etapas de antecipação e 52 pontos a mais que Riccardo Patrese, o 2º colocado.

Para Ayrton, restaram atuações isoladas, como a vitória em Mônaco e na Hungria. Mesmo nos treinos, sua especialidade, o brasileiro não teve chances: apenas uma pole em 16 etapas, contra 14 de Mansell. A definição de Senna, ainda nas primeiras etapas, foi a melhor encontrada para descrever o modelo FW14: “É um carro de outro mundo”.

O domínio da Williams, marca da temporada de 1992, continuou no ano seguinte. Senna declarou que aceitaria qualquer oferta para correr pela equipe e chegou a ser procurado, mas o novo piloto teria vetado o brasileiro. O nome dele? Alain Prost.

A temporada começou com o GP da África do Sul e, como no ano anterior, era impossível seguir o ritmo dos carros de Frank Williams. Apenas um fator poderia complicar a vida de Prost: a chuva. Mas, como não choveu em Kyalami, o francês não teve problemas para vencer.

No Brasil, quinze dias depois, a história foi diferente. Sem chances de brigar pela pole, Senna largou em terceiro, atrás de Prost e Hill. Durante a prova, uma tempestade caiu sobre Interlagos. Com a pista completamente molhada, Senna fez a festa da torcida. Após sua segundo vitória no Brasil, Ayrton foi erguido pelos fãs, que invadiram a pista.

Para quem pensou que o show de Interlagos havia sido o último do ano, Senna guardou uma atração ainda maior: o GP de Donington Park. Largando na quarta colocação, Ayrton caiu para quinto e foi passando um a um os adversários: Schumacher, Wendlinger, Hill e, por fim, Prost. Ao final da primeira volta, Senna já era líder. O feito fez com que o piloto recebesse uma justa homenagem: uma placa, colocada na entrada do circuito, em homenagem ao que foi denominado de “a primeira volta mais fantástica da história”.

Mesmo com um carro inferior Ayrton conseguiu equilibrar a disputa até o GP do Canadá, quando Prost começou uma série de quatro vitórias, praticamente garantindo o título. Para terminar bem a temporada, Senna venceu as duas últimas provas, com direito a pole na Austrália. No pódio de Adelaide, Ayrton fez um dos gestos mais nobres da história da Fórmula 1. Vencedor, o brasileiro puxou Alain Prost para o degrau do primeiro colocado. Era o fim das brigas e acusações.

Senna: A nova casa e a última temporada Eram passados dez anos desde que Senna havia andado pela primeira vez em um carro de Fórmula 1, justamente uma Williams, em julho de 1983. O garoto de 23 anos se transformara num tricampeão mundial, com um recorde de 62 poles e já acumulava 41 vitórias. Os carros da equipe inglesa haviam dominado as duas temporadas anteriores e a expectativa era novo massacre em 1994.

Na primeira corrida, o GP Brasil, Ayrton marcou a sua primeira pole pela sua nova equipe, aumentando seu recorde de poles. Senna ia bem e liderava com relativa facilidade, mas perdeu a ponta para o alemão Michael Schumacher, a mais nova fera da categoria, no reabastecimento. No ímpeto de alcançar Michael, Ayrton Senna acabou rodando e abandonou a prova, vencida por Schumacher. Seu companheiro na Williams, Damon Hill, ficou em segundo.

Passaram-se quinze dias e a F-1 foi a Aida, Japão, para a disputa do GP do Pacífico. Na pista, que recebia pela primeira vez a categoria Senna conquistou mais uma pole. O brasileiro teria mais uma vez Michael Schumacher a seu lado no grid. A corrida de Senna, contudo, acabou logo na largada: Ayrton foi atingido pela McLaren do então inexperiente Mika Hakkinen; Nicola Larini, da Ferrari, também foi envolvido no acidente. Longe das confusões, Schumacher venceu mais uma prova, fazendo 20 (pontos) a 0 no placar.

A pressão sobre Senna crescia muito. Afinal, Schumacher tinha uma boa vantagem e a Williams tinha um carro tido como imbatível por todos. O fato verdadeiro é que, com a proibição dos dispositivos eletrônicos, a equipe ainda procurava um acerto ideal para voltar a ter a supremacia dos anos anteriores. Senna reclamava da instabilidade do carro que, segundo ele, estava difícil de guiar. A Williams prometeu algumas mudanças no modelo, mas Senna não teve tempo de presenciá-las.

O GP de San Marino de 1994 foi o pior de todos os tempos na Fórmula 1. Na sexta-feira, Rubens Barrichello bateu forte e teve escoriações no nariz, ficando impedido de correr. A segurança da pista já era discutida quando, no treino classificatório de sábado, morreu o austríaco Roland Ratzenberger.

No domingo Ayrton parecia triste, abatido e desmotivado. Alguns dizem que ele não queria correr. Outros, que Senna havia previsto sua morte. Mas a bandeira da Áustria, com a qual ele homenagearia Roland Ratzenberger caso vencesse aquela corrida, mostra que, até o fim, ele queria a vitória.

Mas foi uma vitória que não veio naquele 1º de maio de 1994. O laudo do hospital Maggiore, em Bolonha, veio implacável, inapelável: Ayrton Senna da Silva, 34 anos, brasileiro, piloto de corridas, morreu.

Prost: “A morte de Senna decretou o meu fim na Fórmula 1”


Rivais históricos, Ayrton Senna e Alain Prost foram companheiros de equipe, na McLaren, em 1988 e 1989…

Responsáveis por uma das maiores rivalidades da história da Fórmula 1, Alain Prost e Ayrton Senna ainda conseguem reanimar o clima de disputa entre eles, mesmo após a aposentadoria do francês e a morte do brasileiro. Recentemente, março de 2010, o tetracampeão mundial Alain Prost afirmou que a morte do ídolo brasileiro decretou sua aposentadoria da categoria máxima do automobilismo.

“Ayrton e eu temos um vínculo. Sua morte foi o final da minha história com a Fórmula 1. Ninguém pode falar de Ayrton sem mencionar meu nome, e ninguém pode falar de mim sem mencionar o dele. Sua morte foi o final da minha história com a Fórmula 1”, afirmou Alain Prost, numa entrevista ao jornal espanhol “El País”.

Após uma breve parceria como companheiros de equipe pela McLaren em 1988, a rivalidade entre os dois pilotos aumentou exponencialmente nos anos seguintes. Superior à Senna em número de títulos mundiais – Prost é tetracampeão, enquanto o brasileiro é tri – Prost revelou ter se aproximado de Senna cerca de três meses antes da tragédia, depois de um bom tempo de discussões e exaltações da rivalidade que assolou a Fórmula 1 durante a metade final da década de 1980 e o início da 1990.

“Ele nunca tinha me ligado, mas nas últimas semanas tinha feito isso várias vezes. Estava preocupado. Achava que a Benetton, de Michael Schumacher, tinha implantado recursos eletrônicos no carro e queria que eu entrasse para a Comissão de Segurança,” contou o francês, relembrando uma das regras da época.

Prost revelou que Senna mostrava-se desconfortável com o carro da Willians, com o qual faleceu no GP de Ímola, em San Marino, na temporada de 1994. O antigo rival do brasileiro, na época já aposentado das pistas de Fórmula 1, relembrou o encontro com o brasileiro momentos antes da largada na última corrida do tricampeão mundial.

“Lembro que, antes da corrida, ele veio às cabines de televisão para falar comigo, o que não era algo habitual e, por isso mesmo, todos que estavam ali ficaram calados. Nesses momentos, o piloto só pensa em se concentrar, mas ele veio e se sentou ao meu lado. O mais surpreendente é que não queria falar de nada muito importante,” revelou.

“Depois de comer, pouco antes da largada, fui aos boxes da Williams e conversamos por uns dois minutos antes dele entrar no carro. Esta foi a última vez que o vi vivo,” lamentou.

Schumacher: “Levei duas semanas para aceitar que Senna tinho morrido”

Outro piloto que recorda de seu convívio com Senna é o alemão Michael Schumacher, que na época da morte de Ayrton, já se destacava como um piloto de um futuro muito promissor.

“O pior aconteceu duas semanas depois, quando eu aceitei que ele havia morrido”, diz o heptacampeão Michael Schumacher, que diz não conseguir se lembrar de uma vitória que deixou um grande vazio inteiror como a daquele dia em Imola.

“Nós tínhamos visto muitos acidentes como esse ou ainda pior. Pensei que Ayrton poderia ter quebrado uma perna ou um braço, mas que tudo continuaria igual. Foi depois do pódio, quando Pasquale Lattuneddu, que era o braço direito de Bernie Ecclestone, veio e nos disse que ele estava em coma. Não sabia o que pensar. Eu não conseguia imaginar que ele poderia morrer. Na melhor das hipóteses, ela perderia uma ou duas corridas e só isso.”

“Mas o pior veio duas semanas depois, em Mônaco, quando eu tive que aceitar que, de fato, havia morrido. Foi uma loucura.”

Jô Ramirez: “Ele saiu porque nosso carro não estava a altura dele”

Outro que lembra com carinho dos momentos com Ayrton foi Joaquín Ramirez, que esteve na McLaren junto com o brasileiro.

“Para a McLaren, foi como perder um filho.” disse Jo Ramirez, que em 1994 era o coordenador da McLaren, onde Senna consquistou seus três campeonatos mundiais (1988, 1990 e 1991).

“Ele saiu porque nosso carro não estava a altura dele e por isso nós nos sentimos um pouco responsáveis por sua morte, por não ter sido capaz de evitar. Naquele fim de semana, Ayrton me pediu um favor: Ele tinha o seu avião no aeroporto de Forli e queria alugar um helicóptero para levá-lo lá depois da corrida. Estava a apenas três corridas na Williams e ainda não estava confiante o suficiente para pedir ninguém da lá. Ele disse que o tratamento da equipe era muito frio com ele.”

“Fiz o que ele me pediu, mas infelizmente nunca chegou a tomar este helicóptero.”
Fontes: F1, superspeedway

Veja outras fotos e informações em: http://www.abril.com.br/ayrton-senna/


E os brasileiros nunca mais tiveram um piloto à altura para amar e idolatrar. Nunca mais houve outro Ayrton Senna da Silva!

Motivação, Dedicação, Determinação, Superação, Perfeição, sonho…

Saudades Campeão!

Valeu!

About these ads