Você já viu aqui em Jusweek! Que a OAB apoiava a aplicação de provas análogas do atual exame para advogados, também para médicos.

Assim, o Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) editou ontem (24) a Resolução número 239, que instituiu a obrigatoriedade de os formandos em Medicina se submeterem a uma avaliação de conclusão do curso para obter o registro profissional. No entanto, o registro não será condicionado ao resultado obtido pelo formando, mas à participação na prova. A Resolução anunciada hoje vale para todos os egressos de cursos de Medicina ainda não inscritos no Conselho e a iniciativa foi tomada em decorrência da queda acentuada na qualidade do ensino médico.

Segundo informações do Cremesp, exames opcionais realizados em São Paulo nos últimos sete  anos revelaram que quase metade dos graduandos saem das escolas sem condições de exercer a Medicina. O Conselho vinha realizando desde 2005 uma prova opcional para os  graduandos de escolas médicas paulistas, mas a participação nessa avaliação vinha caindo ano após ano.

O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, manifestou o apoio da entidade à Resolução. O tema foi tratado em reunião realizada no dia 04 de julho, na sede da OAB, entre Ophir e o presidente do Conselho Regional de Medicina, Renato Azevedo Junior. Naquela ocasião, Ophir afirmou que o exame obrigatório funciona como uma resistência por parte da sociedade civil brasileira e da Medicina em defesa da vida. “Esse é o bem maior a ser preservado e defendido pelos médicos, assim como a OAB luta para contar com bons advogados, qualificados para a defesa de dois outros bens importantes: a liberdade e o patrimônio dos cidadãos”.

Dos 4.821 estudantes que participaram do Exame do Cremesp entre 2005 e 2011, 46,7% foram reprovados. Na soma dos vários anos, pouco mais de 15% dos formandos prestaram o exame, número representativo, porém insuficiente, para uma avaliação mais aprofundada do universo dos graduandos. (Com informações do site do Cremesp)

About these ads