As defesas orais dos réus do mensalão terminaram anteontem (15), mas ficaram palavras e justificativas esdrúxulas, frases de efeito e pelo direcionamento da culpa a pessoas que já morreram.

* Uma das raridades foi a apresentada pelo advogado Marthius Sávio Lobato de que o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato não sabia do conteúdo de dois pacotes que recebeu. Dentro, havia R$ 326 mil em espécie. O defensor alegou que Pizzolato havia pegado os pacotes a pedido de uma secretária do empresário Marcos Valério. “Só depois que o escândalo apareceu é que ele tomou conhecimento do dinheiro” – afirmou o advogado.

* Não foram poucas as vezes em que o falecido deputado José Janene (PP-PR) foi citado. Ex-líder do Partido Progressista na Câmara e ex-tesoureiro da legenda, ele era um dos réus da ação, mas morreu em setembro de 2010. A defesa do ex-deputado do PP Pedro Corrêa, por exemplo, responsabilizou Janene pelos contatos feitos entre o partido e a corretora Bônus Banval. “O que se fala é que José Janene que fazia esse contato”, disse o advogado Marcelo Leal, durante a sustentação oral em defesa de Corrêa.

* Leal e outros defensores ainda citaram o ex-presidente do PTB José Carlos Martinez, que morreu em um acidente aéreo, em outubro de 2003.

* No dia 7, o advogado Paulo Sérgio Abreu e Silva, defensor da ex-empregada da agência SMP&B Geiza Dias, disse que ela era uma funcionária “mequetrefe”, na tentativa de convencer os ministros de que a cliente agiu somente sob ordens do empresário Marcos Valério. “Era uma funcionária mequetrefe. Era uma batedeira de cheque. Eram cinco, seis funcionários para bater cheque. De 100 a 200 por dia eram batidos na SMP&B” – foi uma das frases ditas da tribuna.

* No mesmo dia, Leonardo Yarochewski, defensor da diretora financeira da SMP&B Simone Vasconcelos, comparou o mensalão à novela Avenida Brasil. “Virou moda, é bonito falar de bando ou quadrilha. Até na novela a Carminha falou que ia processar a Nina por formação de quadrilha.”

* O advogado Luiz Maximiliano Telesca Mota, advogado de Anita Leocádia fez uma criação travessa à suposta falta de cuidados no jardim da casa de Roberto Gurgel: “Senhor procurador, a tua piscina está cheia de ratos. Tuas ideias não correspondem aos fatos”.

* Sebastião Tadeu Ferreira Reis, advogado do ex-deputado João Magno (PT-MG) invocou personagens de uma novela da Globo e ficção de cinema do século passado: “O José Dirceu foi acusado por um veículo de ter matado a Odete Roitman e só faltou dizer que ele matou o Bin Laden. Talvez a única explicação plausível para essa denúncia seja a vontade de saciar o apetite midiático da fantasia de Ali Babá e seus 40 ladrões”.
Fonte: espacovital.com.br

About these ads