baladsegurPesquisa encomendada pelo Detran/RS para avaliar os resultados da Operação Balada Segura detectou que 96% dos porto-alegrenses considera a operação importante (39,3%) ou muito importante (57,1%). Foram ouvidos mil motoristas da Capital, entre setembro e outubro de 2012.

Dezesseis por cento (168) afirma já ter sido parado na Balada Segura, e 41,4% conhece alguém que já foi abordado. Paralelamente à divulgação do estudo, o Detran/RS disponibiliza em seu site um banner com diversas informações sobre a operação.

A avaliação positiva da importância da Balada Segura é diretamente proporcional à idade e à classe social, com as classes A e B e as pessoas mais maduras valorizando a iniciativa com maior intensidade. As mulheres estão entre as maiores entusiastas (64,2% consideram-na muito importante). Apesar da avaliação quase unânime da importância da operação, a troca de hábitos em função da Balada não alcança o mesmo resultado, como seria de se esperar, já que a mudança de cultura acontece no longo prazo. No entanto, 71,2% declara não ter dirigido após beber no último mês (18,6% dirigiu sob o efeito de álcool uma ou duas vezes, e 4,3%, de três a cinco vezes neste período).

Um terço das pessoas afirma ter mudado seu comportamento após o início da Balada Segura, e metade diz ter observado alguma mudança no comportamento de seus familiares e amigos: 10% acha que mudou muito e 42%, que mudou um pouco. Apesar da resistência à mudança de cultura, 39,4% afirma já ter pedido ou impedido que alguém dirigisse depois de beber, 78% diz não aceitar carona com um motorista que bebeu e 28,3% escolhe o motorista da vez.

As pessoas que mudaram o comportamento após a Balada Segura não bebem quando saem ou, quando optam por beber, saem com alguém que não beba, ou usam transporte público (18,2% aumentou o uso de outros meios de transporte, e, destes, 74,2% opta pelo táxi). Diferentemente do impacto na economia, que alguns previam no início das blitze, somente 6,8% reduziu as saídas em função das blitze, e 93,8% não mudou as escolhas de bares e restaurantes.

O estudo, realizado pela Ideia Inteligência em Pesquisa, “oferece subsídios para correção de rumos, não só na parte operacional, mas também nas ações de comunicação”, explica o presidente do Detran/RS, Alessandro Barcellos.

Perfil da amostra
Entre as mil pessoas entrevistadas, 2/3 consome bebidas alcoólicas. A mais usual é a cerveja (81,1%), com uma média de sete latas/semana. O uso de álcool cresce em proporção direta à juventude, à escolaridade e à renda (mas volta a crescer nas classes C2, D e E). A maioria (71,4%) costuma beber em casa, 45,8% em bares e restaurantes e 36,2% na casa de amigos. Confira a apresentação da pesquisa no banner da Balada Segura em http://www.detran.rs.gov.br.

Saiba mais sobre as alterações na Lei Seca, sancionada recentemente pela Presidente Dilma, clicando aqui.

About these ads