Tags

, , , ,

Obras do Beira-Rio estão paradas há quase 250 dias.
Construtora culpou o banco gaúcho pela não assinatura do contrato.

O governo gaúcho reagiu com preocupação e tom crítico à nota divulgada neste sábado pela Andrade Gutierrez, que atribui ao Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) o atraso na assinatura do contrato com o Inter para a reforma do Beira-Rio. Por meio de sua assessoria, o governador Tarso Genro afirmou que a empreiteira assumiu a responsabilidade de um negócio e agora está querendo repassá-la a outra instituição, no caso, ao banco estadual.

Ainda sobre a postura da construtora, Tarso pondera que Beira-Rio é um estádio privado, cabendo à empreiteira e ao Inter encontrarem uma solução para o impasse. As obras para modernização do Beira-Rio visando à Copa de 2014 estão paradas há quase 250 dias.

A Andrade Gutierrez sustenta na nota que a confirmação da parceria não aconteceu ainda porque o Banrisul não respondeu ao seu pedido de financiamento para a reforma do estádio.

“Informamos que, em decorrência de várias reuniões realizadas nas últimas semanas com executivos do BNDES e do Banrisul, que atua como agente repassador dos recursos do BNDES via ProCopa, um plano sólido de garantias referente ao conjunto de investidores que formarão a SPE foi apresentado ao Banrisul. Até o momento, não houve o retorno quanto à aprovação deste plano”, informa a nota.

O Banrisul contesta a posição da empreiteira. Por meio de comunicado enviado após contato do GLOBOESPORTE.COM, o banco afirma que vem trabalhando para ajudar a viabilizar o projeto da reforma do Beira-Rio e que já analisou a proposta da construtora. No entanto, a considerou insuficiente em relação às garantias dadas pelos investidores. Ao final, o Banrisul se disse pronto a uma nova conversa, desde que as condições da Andrade Gutierrez se alterem.

“A proposta apresentada pelos investidores, possíveis sócios da Construtora Andrade Gutierrez no projeto, não está suficientemente estruturada em relação às garantias para o Banrisul realizar a operação de financiamento. O Banco se mantém aberto ao diálogo para avançar nas tratativas que possam ter como resultado um desfecho satisfatório para todas as partes”.

Em nota no última dia 10, a Andrade Gutierrez já havia anunciado que os investidores da obra estavam definidos, mas faltava ainda negociar as garantias dos membros da Sociedade de Propósito Específico (SPE), a parceria que viabilizará a remodelação do estádio. Desta vez, portanto, o empecilho passa a ser o banco aprovar o plano da SPE.

O contrato com a Andrade Gutierrez já havia passado pelo Conselho Deliberativo do clube em dezembro. A parceria foi aprovada por 229 dos 283 conselheiros. Foram 47 votos contrários e sete abstenções. O custo estimado das obras é de R$ 330 milhões, e a Andrade Gutierrez deve arcar apenas com 20%. O restante fica a cargo dos parceiros reunidos na SPE.

A data limite para o fim das obras, segundo o calendário da Fifa visando à Copa de 2014, é dezembro de 2013. A demora na assinatura do contrato entre clube e empreiteira não parece tirar o sono do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Segundo ele, não há plano B, e o estádio de Porto Alegre para a Copa será o Beira-Rio.

Confira a íntegra da nota da Andrade Gutierrez:

Reforma do Beira-Rio
Informações importantes para o público

A construtora Andrade Gutierrez vem a público novamente para informar que todas as etapas e ações que dependiam da empresa para viabilizar o projeto de reforma e modernização do estádio Gigante da Beira-Rio já foram concluídas.

A empresa está segura de que foi além de suas obrigações, fazendo tudo o que era possível a um ente privado para colocar o projeto em execução. Rememorando:

– A Andrade Gutierrez foi a primeira a apresentar ao S.C. Internacional, ainda em 2010, uma sugestão de modelo de parceria para reforma do estádio – modelo que, no ano seguinte, seria aprovado pelo clube;

– Em seguida, em conjunto com o clube, a construtora elaborou a minuta do contrato que definiu as bases da parceria, processo que foi concluído em dezembro de 2011;

– Definida as condições do contrato, a Andrade Gutierrez pôde, enfim dar início às tratativas com os potenciais sócios investidores para a composição da Sociedade de Propósito Específico (SPE) responsável pela reforma e ampliação do Beira-Rio;

– Em paralelo, mesmo sem ter garantia formal de que seria a responsável pela condução do projeto, desenvolveu os estudos e projetos de engenharia para que a retomada das obras pudesse ocorrer imediatamente após a assinatura do contrato;

– Pouco mais de 45 dias após a aprovação do contrato pelo Conselho Deliberativo do clube, a construtora conseguiu definir todos os demais investidores necessários à viabilização do projeto;

– Para obtenção da linha de financiamento via ProCopa, programa do BNDES para financiamento de Arenas na Copa 2014, todos os investidores têm de apresentar garantias proporcionais à sua participação. a garantia da parcela que cabe à construtora (20%) já foi apresentada e aprovada.

Informamos que, em decorrência de várias reuniões realizadas nas últimas semanas com executivos do BNDES e do Banrisul, que atua como agente repassador dos recursos do BNDES via ProCopa, um plano sólido de garantias referente ao conjunto de investidores que formarão a SPE foi apresentado ao Banrisul. Até o momento, não houve o retorno quanto à aprovação deste plano.

Sem a aprovação dessas garantias financeiras, que contam inclusive com intenção de participação do S.C. Internacional, não é possível obter a linha de financiamento ao projeto e estabelecer a sociedade que viabilizará a reforma, lembrando que o andamento deste processo tem decisões, fóruns e prazos alheios à vontade da empresa.

Uma vez formada a SPE, o contrato será assinado e o cronograma de obras, divulgado. Até lá, a Andrade Gutierrez segue envidando todos os esforços para que o modelo para reforma e modernização do estádio Gigante da Beira-Rio, tendo como objetivo a Copa do Mundo de 2014, seja viabilizado.
Fonte: G1

Ora, sabe-se muito bem que a AG está procastinando a reforma e repassando o problema ao Banrisul.

A AG, muito provavelmente esteja até arrependida de ter aceito o contrato. Não está sendo transparente para com o clube colorado e ainda se faz de vítima.

Bom, vamos aguardar os próximos capítulos, pois, a Arena do Grêmio logo ficará pronta (final-do-ano) e, provavelmente será o “plano B” para sediar os jogos da Copa do Mundo no RS.

Mas bah tchê, que peleia!

Anúncios