Verão é tempo de muito sol, praia e piscina. Mas é bom ficar atento, pois a exposição excessiva aos raios solares é prejudicial à saúde. Nesse período existem dois cuidados fundamentais: uma boa hidratação e o uso correto de um protetor solar.

A pele contém um pigmento natural denominado melanina. Quando expostas ao sol, o organismo reage produzindo esse pigmento, reduzindo a penetração dos raios solares. Os filtros solares contidos nos bronzeadores e protetores agem sobre a pele filtrando os raios do sol de forma similar à melanina, daí a importância de usá-los.

Queimaduras, sensações de ardor e inchaços são comuns quando ocorre exposição indevida ao sol. A escolha adequada do FPS, para cada tipo de pele, é de fundamental importância. Peles mais sensíveis necessitam de um fator de proteção maior. Contudo, isto não significa dizer que o usuário estará livre de queimaduras, pois, se houver exposição excessiva, a pele sofrerá danos, como se nenhum produto tivesse sido utilizado. Além de queimaduras a frequente exposição ao o sol a longo pode causar câncer de pele. A melhor forma de se proteger  é  usando  filtro solar, roupas (e chapéus)  e evitar pegar sol depois das 10h da manhã e antes das 16h.

Como escolher um protetor solar?

O Procon-SP  orienta que a embalagem deve conter informações do fabricante e/ou importador; composição; data de validade; contra-indicação; nível de proteção; tipo de pele; instruções de uso; período de exposição ao sol; resistência à água e número de registro no Ministério da Saúde. Os produtos importados devem trazer estas informações em português, com linguagem clara e precisa.

Escolha o produto com FPS (Fator de Proteção Solar) adequado ao seu tipo de pele. Pessoas com pele oleosa devem dar preferência a filtros em gel e sem óleo; para peles secas as loções cremosas e os cremes são mais indicados, enquanto os sprays são ideais para esportistas.Passe o protetor solar abundantemente por todo o corpo 30 (trinta) minutos antes da exposição solar e  reaplique a cada hora, se nadar, se usar toalha ou transpirar excessivamente.

Use o protetor mesmo embaixo do guarda-sol ou em dias nublados e ao menor sinal de manchas, bolhas, queimaduras ou alergias, procure auxílio médico.

Os olhos merecem proteção especial:

O sol também pode afetar os seus olhos, por isso é essencial o uso de óculos escuros de qualidade em época de sol forte.  A incidência direta dos raios ultravioleta, um dos componentes dos raios solares, no olho humano ocasiona lesões oculares graduais que podem culminar na perda total da visão. A catarata, por exemplo, é uma das lesões oculares mais conhecidas do mundo e sua ocorrência pode estar relacionada à exposição da retina à radiação ultravioleta.

A utilização dos óculos de sol, além de motivos ligados à estética, tem a função de impedir a penetração desses raios através da “filtração” dos raios solares. Entretanto, a utilização de um óculos de sol que as lentes não oferecem proteção adequada é considerado mais perigoso do que simplesmente não usá-los.

O olho humano possui mecanismos de defesa naturais que são inibidos pela escuridão proporcionada pelas lentes. A pupila, que automaticamente se fecharia diante da luminosidade, mantém-se dilatada quando se utiliza lentes escuras. A reação natural do ser humano de fechar os olhos é comprometida pela utilização dos óculos de sol. Portanto, se as lentes não protegem, os raios ultravioletas passam e afetam a retina mais severamente do que se não fosse usado nenhum tipo de lente. Sendo assim,evite comprar óculos em camelô, em praias, lojas desconhecidas para evitar danos na visão.

Hidratação no verão:

No verão na praia, na piscina ou na rua  o risco de desidratação é muito grande, algumas pessoas acabam  se distraindo e esquecendo-se de se hidratar. O ideal é beber muita água mineral. Vejas algumas recomendações do Procon-SP.

·  Ao adquirir água mineral é necessário prestar atenção ao local onde as embalagens estão colocadas e recusar aquelas que estiverem próximas a lugares aquecidos como: chapas, fornos elétricos, ou expostas ao sol, pois o calor propicia o crescimento de algas que modificam a coloração da água tornando-a imprópria ao consumo;

·  Embalagens que estiverem perto de produtos que exalam cheiro forte, também não devem ser aceitas pelo consumidor, pois o plástico absorve odores que podem contaminar a água. Certifique-se de que o lacre não esteja rompido ou mesmo ausente;

·  A compra de água de ambulantes em semáforos, ruas, parques e pedágios deve ser evitada, pois além de estar sob os raios solares, a maioria não possui rótulo e lacre, levando a crer que não passou por análise e inspeção do órgão fiscalizador competente;

· No rótulo devem constar informações claras, precisas e em língua portuguesa, sobre: a quantidade; composição; preço; data de fabricação e validade; origem e identificação do fabricante ou importador. A embalagem deve trazer ainda dados do distribuidor, assim como identificação da fonte, número de registro no Ministério da Saúde e data de envasamento.

Siga as dicas e, curta bastante a praia e aproveite o verão.

Fonte: Procon -SP , Relatório de análise de óculos de sol do Programa de Análise  de  Produto do Inmetro.