Imposto 2014 – A Receita Federal começou a receber hoje (6/03) a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2014, ano-base 2013. O prazo vai até o dia 30 de abril deste ano, e quem perder está sujeito a uma multa mínima de R$ 165,74.

Nesse momento, muitos consumidores optam por recorrer as instituições financeira para antecipar a restituição, mas antes de acreditar nas “facilidades” prometidas em publicidades, confira algumas dicas do Procon-SP:

Em primeiro lugar o consumidor precisar ter clareza que antecipação da restituição do IR é um empréstimo. Sendo assim, pesquise e compare a antecipação com outras linhas de crédito. Apesar de geralmente possuir juros menores que outras modalidades de empréstimo é bom ficar atento ao Custo Efetivo Total (CET) da operação. “Não é apenas o valor dos juros que determina se um empréstimo é mais vantajoso que outro. As instituições financeiras cobram taxas e impostos para realizar este tipo de operação, como IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e tarifas bancárias, por exemplo”, alerta Renata Reis, supervisora de Assuntos Financeiros e Habitação do Procon-SP.

A malha fina pode causar um enorme transtorno para o consumidor que solicitar a antecipação, pois a demora para receber a restituição fará com que o contribuinte pague ao banco mais juros. Por essa razão, recomenda-se ler e analisar cuidadosamente o contrato antes de assinar. Nesse documento, precisam estar especificadas quais serão as consequências caso o consumidor caia na malha fina, informações sobre possíveis custos adicionais e juros que serão cobrados pelo período em que demorar para sair a restituição do consumidor.

Se você não tem dívidas a saldar ou pendências financeiras, a melhor opção e esperar a restituição. Caso tenha pressa em usar o dinheiro, faça a declaração o quanto antes. Para quem pretende aplicar os recursos da restituição do imposto de renda, o ideal é postergar ao máximo a entrega da declaração, pois “os últimos a declarar serão os mais bem remunerados”, recomenda Claudio Juchem, Advogado e Analista Financeiro. Ele explica que a devolução do Imposto de Renda é automaticamente corrigida pela Taxa Selic, acumulada entre o mês seguinte ao da entrega da declaração e o mês do pagamento pela Receita Federal, acrescido de 1,00%. Como esse rendimento é isento de imposto de renda, dificilmente outra aplicação é mais rentável que essa.

Entretanto, esse conselho não vale para quem tiver mais de 60 anos, pois o estatuto do idoso prevê que tais contribuintes recebam sua restituição no primeiro lote.
Fonte: Procon-SP / Associação Brasileira de Bancos