*Texto de Júlia Matravolgyi

O que a rainha da Inglaterra diria caso houvesse eclodido uma Terceira Guerra Mundial? Aposto que você nunca parou para pensar nisso – mas os assessores dela não só pensaram, como prepararam um discurso para a ocasião. É melhor prevenir do que remediar, não é?

Pensando nisso, ao longo da história, várias autoridades prepararam discursos que seriam proferidos caso algo não saísse de acordo com seus planos. Por causa das circunstâncias de cada época, eles acabaram não entrando para a história – mas nem por isso deixam de ser curiosos e interessantes. Abaixo, você confere 3 discursos que nunca chegaram a ser proferidos em público:

1. E se o Apolo 11 nunca tivesse voltado da Lua?

moon

Discurso preparado para o caso de falha na missão Apolo 11. Fonte: Divulgação.

“Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade”, foi essa a frase que o astronauta Neil Armstrong eternizou ao pisar na Lua pela primeira vez.

Mas se a missão não tivesse dado certo, o presidente dos EUA também tinha algumas palavras para dizer. Elas foram preparadas por William Safire, autor de outros discursos do presidente Richard Nixon. Veja só:

“Esses homens corajosos, Neil Armstrong e Edwin Aldrin, sabem que não há esperanças de que sejam encontrados com vida. Mas eles também sabem que há esperança para a humanidade, por causa de seu sacrifício.Esses dois homens estão abrindo mão de suas vidas por causa dos objetivos mais nobres da humanidade: a busca pela verdade e pela compreensão.

Eles serão velados por sua família e seus amigos; eles serão velados por sua nação; eles serão velados por pessoas do mundo todo; eles serão velados pelo Planeta Terra, que ousou enviar dois de seus filhos para o desconhecido. Durante sua exploração, eles estimularam as pessoas do mundo todo a se sentirem como uma só; em seu sacrifício eles reforçam os laços de irmandade entre os homens.

No passado, as pessoas olhavam para as estrelas e viam seus heróis nas constelações. Atualmente, fazemos algo parecido, mas nossos heróis são grandes homens, feitos de carne e osso.

Outros seguirão seus passos e com certeza encontrarão o caminho de volta para casa. A busca da humanidade não será esquecida. Mas esses homens, como foram os primeiros, sempre permanecerão em nossos corações. Cada pessoa que olhar para a lua nas próximas noites saberá que há um canto de outro mundo que estará para sempre ligado à humanidade”.

2. E se o Dia D fracassasse?

dia d

As anotações do general Eisenhower. Fonte: History Project

O Dia D foi um dos mais marcantes da Segunda Guerra Mundial – até hoje, ele é considerado o “começo do fim” da guerra, quando, no dia 6 de junho de 1944, um contingente de soldados anglo-saxões desembarcou nas praias da Normandia, libertando a França da ocupação nazista. Mas e se a operação falhasse?

Não sabemos quais seriam os rumos da guerra, mas o general Dwight D. Eisenhower, responsável pela operação, tinha algumas palavras preparadas para esse momento:

“Nossa chegada falhou e eu decidi retirar as tropas de circulação. Minha decisão de atacar no horário e no local escolhidos foi baseada nas melhores informações disponíveis. As tropas, a aeronáutica e a marinha fizeram tudo o que a coragem lhes permitiu fazer. Se alguma culpa deve ser atribuída, ela é exclusivamente minha”.

3. E se houvesse eclodido uma Terceira Guerra Mundial?

discurso beth

Foto do discurso nunca feito pela Rainha Elisabeth. Arquivo Nacional Britânico/Reprodução.  

Keep calm and carry on: era dessa maneira que o governo britânico planejava acalmar a população caso as invasões a seu território se agravassem ainda mais durante a Segunda Guerra Mundial.

Os britânicos, de fato, são muito prevenidos: além do cartaz, preparado pelo governo para incentivar a população durante dias difíceis, foi revelado no início desse mês que a rainha Elisabeth tinha um discurso preparado no caso da eclosão de uma Terceira Guerra Mundial.

Por causa das regras de sigilo para documentos desse tipo, o texto escrito em 1983, foi revelado apenas esse ano pelo Arquivo Nacional Britânico.

A fala foi preparada para o caso de uma batalha entre os blocos capitalista e comunista durante a Guerra Fria – 1983 foi um dos anos mais complicados na disputa entre os dois blocos pela hegemonia mundial. O texto faz parte de um exercício militar nomeado WINTEX-CIMEX 83, que trabalhava com a hipótese de um ataque químico por parte dos soviéticos, que possivelmente levaria a uma resposta do mesmo nível por parte da OTAN.

Abaixo, você pode conferir o discurso:

“Quando eu me dirigi a vocês há menos de três meses, todos estavam aproveitando os momentos felizes do natal em família. Nossos pensamentos se concentravam nos fortes laços que unem cada geração.

Os horrores da guerra não poderiam nos parecer mais remotos quando eu e minha família dividimos a alegria do natal com o crescimento da família Commonwealth (organização intergovernamental composta por 54 países membros). Agora essa loucura da guerra está se espalhando mais uma vez pelo mundo, e nosso valente país deve se preparar novamente para sobreviver ao perigo.

Eu nunca me esqueci do sofrimento e do orgulho que senti quando eu e minha irmã ouvimos as palavras inspiradoras de meu pai naquele fatídico dia de 1939. Nem por um segundo eu pude imaginar que esse dever solene e horrível um dia seria meu. Nós todos sabemos que os perigos que enfrentamos hoje são muito maiores que em qualquer outro momento de nossa longa história.

O inimigo não é o soldado com seu rifle, nem mesmo o aviador que ronda os céus de nossas cidades, mas o poder letal da tecnologia. Mas, independente de quais sejam os horrores que nos esperam, as qualidades que nos ajudaram a manter nossa liberdade intacta por duas vezes ao longo desse triste século nos darão forças mais uma vez.

Meu marido e eu dividimos com as famílias de todo o país o medo que temos pelas vidas de nossos filhos e filhas, maridos e irmãos que não estão mais em casa pois estão se dedicando a servir o país.

Meu amado filho Andrew está, nesse momento, em ação junto a sua unidade do exército, e rezamos todos os dias por sua segurança e pela segurança de todos os militares em serviço, seja aqui ou em outros países. A força de nosso vínculo familiar será nosso grande diferencial na luta contra o desconhecido. Se as famílias permanecerem unidas, dando abrigo para aqueles que vivem sozinhos e sem proteção, a vontade do nosso país de sobreviver não poderá ser vencida.

Portanto, minha mensagem para vocês é simples. Ajudem aqueles que não podem se cuidar sozinhos, deem conforto para as pessoas solitárias e sem-teto e permita que sua família seja o foco de esperança e vida para aqueles que precisam. Quando nos esforçamos juntos para vencer o novo mal, rezemos por nosso país e pelos homens de boa vontade. Deus abençoe a todos.”

Todos os discursos foram traduzidos pela autora do texto. Os originais você confere nos seguintes links: discurso da chegada a Luadiscurso Dia Ddiscurso Terceira Guerra.

Anúncios